Notícias Cultura e Turismo

Publicado em 19 de outubro de 2018

0

SOCIEDADE ESPANHOLA COMEMOROU 100 ANOS DE HISTÓRIA

Estas famílias que aqui aportaram entre 1890 e 1920, muitas delas foram para as fazendas de café, e alguns habilidosos marceneiros e pedreiros ficavam na pequena cidade, que despertava. Esses laboriosos espanhóis, com certeza, não imaginavam que, cem anos depois, com tantas transformações ocorridas no mundo, na cidade e no prédio, que foi se deteriorando com o tempo e o abandono, poderíamos hoje neste mesmo lugar, atualmente a bela Escola de Música Manoel Martins, rememorar diante dos filhos e netos deste organizado grupo de imigrantes, como foram aqueles anos de luta e esperança neste outro lado do mundo, que se transformaria em Vargem Grande do Sul.

Foi uma noite muito especial. Na área externa, os convidados eram recebidos pela Orquestra Jovem de Vargem Grande do Sul, comandada pelo maestro César.

No salão completamente iluminado, eram recepcionados os descendentes com seus filhos que adentravam com orgulho e com reverência entendendo o significado daquele evento e sua importância.

Na abertura, com toda a plateia de pé, o Prefeito Municipal Amarildo Duzi Moraes foi convidado a transportar a Bandeira do Brasil, e na sequência Reneu Zamora, descendente da família que veio das terras do mesmo nome, carregou até o palco a Bandeira da Espanha ao som do Hino Pátrio.

A Diretora de Cultura Márcia Iared então, deu início à programação cultural.

Homenageando Monsenhor Celestino Garcia, que por cinquenta anos foi pároco nesta cidade, o público foi tomado de emoção com a entrada da procissão de Nossa Senhora do Rocio, a maior da Espanha, puxada pela Banda Luma, tocando o Hino original do Rocio. Esta referência transportou os mais velhos para a inesquecível organização das procissões de Vargem organizadas pelo Monsenhor.

Em seguida, o Grupo da Cultura e alguns descendentes diretos dos espanhóis apresentaram números riquíssimos da tradição espanhola, quer na música como nas danças Flamencas ou na apresentação de Castanholas.

O clima e a alma da Espanha se instalou naquele salão e, o que podia ser notado pela atenção, aplausos e emoção do público presente.

Entre os números, lembranças, fatos curiosos que envolviam as famílias presentes, bem como a citação de suas terras de origem ou dos nomes das fazendas que aqui encontraram, ou mesmo da grande contribuição que fizeram ao nosso município.

Homenagens merecidas foram dirigidas ao Prefeito Municipal pelo apoio à Associação dos Amigos da Cultura, que é responsável pela maior parte das ações desse espaço hoje Escola de Música “Manoel Martins”, quer com relação às oficinas de orquestra, coral e dança como pela parceria da Prefeitura com o Projeto Guri que atende mais de 300 crianças por semana. Homenagem também foi dirigida à Cristina Sbardelini Peres e Antônio Carlos do P. Rodrigues em memória de Belarmino Peres, um dos primeiros imigrantes que aqui se transformou por sua rara inteligência em intendente e depois primeiro prefeito de Sant’Ana de Vargem Grande. Recebeu também flores, don Geni Martins, primogênita do imigrante e músico Manoel Martins. Também merecedor de um diploma de Honra ao Mérito, foi o ex Prefeito Celso Ribeiro, representado pela sua esposa Micaela, não só pela perfeita recuperação do prédio abandonado, como pelas ampliações de várias salas e também pelo destino do mesmo, permitem hoje que esse espaço seja reconhecidamente o espaço Vargengrandense de Música.

Na alegria do número final, quando sigamos da Espanha cantando e dançando, invadiram o auditório, fazendo a plateia se levantar nesta comovente mística despedida.

O espaço externo com tendas, luzes, sangria e batatas, acolheu aqueles que ainda queriam continuar suas lembranças, agora sim ao som da Banda LUMA.

“Temos certeza que neste dia muito honramos o passado, repaginamos o presente e resta a esperança que os mais jovens possam levar as experiências e emoções desse grande dia, também as novas gerações que virão”. Afirmou Márcia Iared.

A diretora aproveitou o ensejo para agradecer mais uma vez ao Prefeito Amarildo, aos funcionários da prefeitura envolvidos nesta tarefa, aos convidados que acreditaram nesse momento, aos incansáveis funcionários da Cultura, à destacada participação de Regina Rotta nos contatos e localização dos descendentes, ao grupo de dança e em especial aos parceiros de produção Cristina Sbardelini Peres e Lucas Buzato.

A Diretora ainda, através da querida família do Sr. João Garcez se desculpa por qualquer omissão involuntária tão passível de acontecer em evento deste significado e porte.

A história está sempre sendo construída e reconstruída.


Sobre o Autor



Back to Top ↑